Foodtech entende nova demanda do consumidor e investe no lançamento de uma linha de produtos que valoriza conexão e afeto na hora das refeições

A Liv Up – foodtech de comida natural e mercado online – acaba de anunciar a linha “Pra Compartilhar”, que chega ao site e app com porções de refeições congeladas para servir de duas a quatro pessoas. São 18 opções de pratos, com preços cerca de 15% menores do que o das porções individuais, e que suprem a crescente demanda de consumo familiar, impulsionada, especialmente, após a adoção de modelo de trabalho remoto ou híbrido por grande parte das empresas.

A linha surgiu para atender a pedidos recorrentes que começaram a chegar após alguns meses de quarentena. “Decidimos investigar mais profundamente, realizamos muitas conversas individuais e pesquisas com o consumidor. Eles nos fizeram perceber um outro lado da quarentena, que aproximou casais, deu aquele empurrão final para casamentos que já existiam efetivamente, fez roommates combinarem almoços juntos e reuniu famílias ao redor da mesa,” conta Viviane Kim, head de CXM da startup, que conduziu as conversas.

Outro insight que veio das conversas foi a valorização do momento da refeição. “O horário das refeições ganhou mais importância como um momento prazeroso e de afeto entre as pessoas. De olho nessas tendências, decidimos adequar a nossa oferta de produtos para a conveniência do consumidor. Porções maiores também nos possibilitam mexer no custo e os novos pratos são cerca de 15% mais baratos se comparados com as refeições individuais”, comenta Livia Malouf, Diretora de Consumo e Portfólio da Liv Up.

Imagem divulgação

Os pratos podem ser comprados pelo site ou aplicativo da Liv Up, a partir de R﹩ 19,50. Para conhecer a linha completa, acesse o link: https://www.livup.com.br/porcoes/pra-compartilhar

Mercado online para comer bem

A Liv Up é hoje o mercado online para quem quer comer bem e viver melhor. À distância de alguns toques no site ou aplicativo da empresa, é possível comprar uma grande variedade em itens de hortifruti, açougue, peixaria e curadoria de parceiros com propósito alinhado em categorias como laticínios, padaria e mercearia, oferecendo alimentos mais frescos e preços justos, por comprar direto dos produtores. Tudo isso faz parte do objetivo da Liv Up de criar um novo sistema alimentar mais inteligente e eficiente, para quem quer comer bem e gerar impacto, com experiência que encanta.

Sobre a Liv Up

A Liv Up é uma foodtech brasileira de alimentação saudável presente em mais de 50 cidades de todo Brasil. Há 5 anos no mercado, a empresa possui atualmente mais de 600 funcionários e uma área produtiva de 10 mil metros quadrados. A base de sua produção é orgânica e familiar e conta hoje com cerca de 40 produtores parceiros, de quem a empresa compra mais de 100 toneladas de orgânicos todos os meses. A empresa oferece um mercado online com ingredientes direto do campo para quem quer cozinhar ou incrementar a comida do dia a dia, refeições ultracongeladas para quem quer comida pronta em poucos minutos e delivery de saladas e pizzas para consumo imediato, entregando praticidade, sabor, saudabilidade e sustentabilidade ao mesmo tempo, para os diferentes momentos de consumo.

Os reconhecimentos confirmam o momento da empresa. Em 2021, foi destaque no Guia Melhores do ESG da Exame, na categoria Alimentos e Bebidas. No ano anterior já havia sido mencionada pelo mesmo veículo como uma das 100 marcas mais lembradas pelo brasileiro durante a pandemia. Foi também apontada pelo Google como uma das marcas mais buscadas durante a pandemia e a Época Negócios elegeu a empresa como uma das 100 startups brasileiras mais promissoras. Outros prêmios que representam o espírito da empresa são o de 1o lugar em experiência ao cliente, promovido pela plataforma Zendesk e o selo de uma das empresas mais humanizadas do país, pela empresa que leva o mesmo nome.

Atendimento à imprensa

Loures Consultoria – livup@loures.com.br

Imagem: @Enyioma

O aneurisma cerebral é uma doença silenciosa que requer atenção e cuidados médicos imediatos. Identifica-los nem sempre é simples porque, em sua maioria, os pacientes não apresentam sintomas. Entretanto, o diagnóstico precoce pode salvar uma vida, como explica o Dr. Marcelo Valadares, neurocirurgião, médico do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) e pesquisador da Disciplina de Neurocirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Chama-se aneurisma a dilatação formada na parede enfraquecida de uma artéria do cérebro. Se rompido, ele pode levar à hemorragia cerebral. No entanto, nem sempre é preciso realizar uma cirurgia como tratamento e, por isso, o acompanhamento médico é essencial em qualquer caso descoberto.

Mais comuns em mulheres

Imagem: @starnes

O Dr. Marcelo Valadares ressalta que a proporção de aneurismas cerebrais em mulheres é de 1.6 para cada homem, em geral. “Após a menopausa, ainda, essa proporção aumenta para quase para 2 mulheres para cada homem”, afirma o especialista. Mas porque isso acontece?

Existem muitas teorias que vão desde a ação do estrógeno, que levaria a uma proteção em relação ao risco de ruptura de aneurismas durante os anos férteis da mulher. “Porém, há um risco maior após a menopausa, por conta da fragilidade dos vasos, passando por uma característica anatômica de que as mulheres têm um diâmetro menor de suas artérias até alterações hemodinâmicas, ou seja: a circulação do sangue no corpo é diferente entre homens e mulheres”, explica o neurocirurgião.

Possíveis sintomas, diagnóstico e tratamento

Segundo o Dr. Marcelo Valadares, geralmente os aneurismas são assintomáticos, apresentando sinais somente quando se rompem e levam à hemorragia intracraniana. “Aneurismas grandes ou muito próximos a estruturas nervosas, como os próximos aos nervos oculomotores – que movimentam os olhos, podem causar efeitos compressivos, levando ao mal funcionamento de estruturas cerebrais. Um dos sintomas dos aneurismas próximos aos nervos oculomotores é a visão dupla, causada pela dificuldade de movimentação de um dos olhos”, elucida.

Para o especialista, o diagnóstico precoce é essencial. “A mortalidade, quando há ruptura de um aneurisma, pode chegar a 50% instantaneamente; 50% dos que sobrevivem e chegam ao hospital podem morrer nos primeiros dias. É uma situação dramática e gravíssima, que justifica ações rápidas e precoces para diagnóstico e tratamento”, alerta o neurocirurgião.

Se os aneurismas não causam sintomas, quando é hora de buscar ajuda, então? A hereditariedade, segundo o neurocirurgião da Unicamp, é um fator de risco e ser considerado. Quando alguém possui dois ou mais parentes de primeiro grau com história de hemorragia cerebral causada por aneurismas, por exemplo, é preciso investigar. “Neste caso, o risco é de 8%. Também se considera a investigação quando um parente de primeiro grau e, pelo menos um parente de segundo grau (como meio-irmão, meia-irmã, tio, tia, avós e netos – ou, ainda, pessoas com irmão gêmeo, já tiveram histórico”, expõe. “Uma outra situação conhecida como doença renal policística também está associada a aneurismas cerebrais e justifica a triagem”, complementa o médico.

O Dr. Valadares esclarece que uma das melhores formas de diagnóstico do aneurisma cerebral é angiografia digital. Por ser muito semelhante a um cateterismo cardíaco, entretanto, é considerado um exame invasivo. “Com o desenvolvimento da tecnologia de imagem médica, hoje temos a angiotomografia, com uma qualidade de imagem tão boa e que, por ser um exame menos invasivo e mais disponível, tem sido usado como primeira escolha em casos de investigação”, diz.

Entre os tipos de aneurismas mais comuns, o médico cita os saculares e localizados em uma estrutura do cérebro conhecida como Polígono de Willis, que são confluências de artérias que distribuem sangue para as porções mais importantes do cérebro. Os aneurismas menos comuns, por outro lado são os micóticos, relacionados a infeções.

É importante ressaltar que nem sempre um aneurisma precisará de uma cirurgia. “Sabemos a probabilidade de sangramento de um aneurisma baseado na sua localização, no seu tamanho e pela idade do paciente. Aneurismas pequenos raramente sangram e, quando são diagnosticados em pacientes, idosos raramente precisam de tratamento. Por outro lado, aneurismas pequenos em pessoas jovens podem crescer e ter risco maior de ruptura, justificando as vezes tratamentos mais precoces”, afirma o Dr. Marcelo Valadares.

@RootedColors

Sobre o Dr. Marcelo Valadares:

Dr. Marcelo Valadares é médico neurocirurgião e pesquisador da Disciplina de Neurocirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e do Hospital Albert Einstein.
A Neurocirurgia Funcional é a sua principal área de atuação, sendo que o neurocirurgião trabalha em São Paulo e em Campinas. Seu enfoque de trabalho é voltado às cirurgias de neuromodulação cerebral em distúrbios do movimento, cirurgias menos invasivas de coluna (cirurgia endoscópica da coluna), além de procedimentos que envolvem dor na coluna, dor neurológica cerebral e outros tipos de dor.
O especialista também é fundador e diretor do Grupo de Tratamento de Dor de Campinas, que possui uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e educadores físicos.
No setor público, recriou a divisão de Neurocirurgia Funcional da Unicamp, dando início à esperada cirurgia DBS (Deep Brain Stimulation – Estimulação Cerebral Profunda) naquela instituição. Estabeleceu linhas de pesquisa e abriu o Ambulatório de Atenção à Dor afiliado à Neurologia. 

Mais informações:
https://www.marcelovaladares.com.br
Instagram: @drmarcelovaladares
Facebook: facebook.com/drmarcelovaladares

Com lançamento previsto para a setembro, a campanha marca a chegada creme Le Sculpter ao Brasil, e traz além da baiana, nomes como Claudia Raia, Stephanie Ribeiro, Gisela Saback e Suzana Gullo


Juliana Ferraz/Foto Mylena Saza

Executiva do setor de eventos, uma das principais referências em networking do país, e uma voz ativa do movimento Body Positive, Juliana Ferraz é um dos nomes que dão vida à campanha nacional ‘Celebre suas curvas’, da marca de beleza francesa Sisley Paris. Trazendo à tona o conceito de beleza real, e a aceitação de corpos, a ação comemora a chegada do creme Le Sculpter ao Brasil, a partir de setembro. Efetivando o lançamento de um dos produtos mais tecnológicos da empresa de cosméticos de luxo, a campanha convidou, além da personalidade baiana, a atriz Claudia Raia, a triatleta Gisela Saback, a arquiteta Stephanie Ribeiro e a influenciadora digital Suzana Gullo.

Ju, em suas redes sociais, reforça a importância da quebra de padrões corporais, sempre incentivando mulheres de diferentes biotipos, a acreditarem que seus corpos e suas diferenças não as limitam. “Cada vez mais é necessário reforçar o quanto somos lindas, e o quanto precisamos amar, cuidar e respeitar nossos corpos“, afirma a empresária. “Sou muito grata ao convite! É uma ótima oportunidade para mostrar que somos mulheres reais, únicas, corajosas e orgulhosas de ser quem somos”, finaliza.

A campanha será composta de uma sessão de fotos exclusivas, acompanhadas de uma série de vídeos onde as participantes recitam o poema ‘Celebre suas curvas’, escrito pela poeta brasileira Ryane Leão. O projeto tem lançamento previsto para a primeira semana de setembro. O produto estará disponível para compra no site, boutiques e pontos de venda físicos da marca no Brasil.

Informações à imprensa:
Manoel Júnior: manoel@indexconectada.com.br
Joana Lobo: joanalobo@indexconectada.com.br
Yasmin Ayache: yasmin@indexconectada.com.br